Pular para o conteúdo principal

Meus sapatos, ninguém sai!

Roubaram meus sapatos. Não, não foram os que estavam no meu pé. Foram TODOS, TODOS MESMO. A única coisa que sobrou foi essa sandália aí do lado. Uma havaiana pra eu poder ir pra qualquer lugar.

A coisa foi tão louca que eu só consegui rir. Quem em sã consciência resolve levar uma sapateira com todos os meus sapatos? Queria ter visto essa cena. Ri, ri alto e tranquilizei minha mãe.

De alguma forma, a minha família sempre foi assim e foi bom lembrar disso. Meus tios quando se juntam é uma mistura de desgraça e riso, daqueles de segurar a barriga de tanta dor.


A questão é:  De alguma forma as coisas antigas precisam ir e VÃO. Essa é uma metáfora louca que a vida resolveu me mostrar. Aproveitei pra jogar um tanto de outras coisas fora, que não cabem mais.
Tive uma crise de asma imensa essa semana. E o que eu vi? Excesso de papel, caixas e espirros.

Pras coisas novas virem as antigas precisam ir embora. Pronto, aceitei,

A única coisa que eu queria era meu all star branco.

O resto não se apegue. Vamos em frente. Avancemos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Me encontrando no olhar.

Depois de quase dois anos que resolvi me assumir como fotógrafa profissional, as coisas deixaram um pouco de fazer sentido. Eu estava um pouco confusa com minha atuação no mercado e não sabia muito bem como reposicionar minha marca. Eu tinha o mais difícil que era um diferencial num mercado que já está saturado e talvez sendo o fato de que "casa de ferreiro, espeto de pau" eu simplesmente não conseguia fazer publicidade para o meu negócio.
 Então eu parei de fotografar profissionalmente por meses, foi um limbo horrível, até que eu conheci um aplicativo de smartphone chamado Gudak Pro. Esse app emula uma câmera analógica e me fez voltar a ter um pouco de prazer fotografando. O diferencial aqui é simplesmente ficar restrita a 24 fotos por vez e ter que esperar 24 horas para o filme ser "revelado". Lembrei imediatamente do meu professor de TCC 1 falando sobre a importância do recorte dentro de uma pesquisa, às vezes a limitação é  o melhor instrumento que você pode t…

Três amores

Hoje o café e a inspiração bateram nessa cabecinha. Resolvi pegar mapas que estavam guardados numa caixinha cheia de lembranças e usá-los na nova decoração do meu quarto. Eu não sei se é o final do ano, mas tenho sentido a necessidade de renovar as coisas, principalmente o lugar em que eu passo a maior parte do tempo. Então a parede do meu quarto agora tem os lugares que eu mais amo no mundo juntos numa coisa só. Sampa, Recife e Minas (representado pelo mapa de Inhotim). Engraçado que eu tenho esses mapas desde 2015 por aqui e nunca tinha tido essa ideia. Agora deu uma vontade imensa de sair por aí viajando e colecionando mapa de todos os lugares.


Estou de volta.

Sempre que eu me perco de mim, a primeira coisa que eu tento fazer (depois de chorar muito)  é olhar para onde eu estava antes do caos se instaurar. Confesso que por ser uma pessoa bastante sensível, minha mudança de sentimentos é constante, eu luto pra fincar os pés no chão mas a cabeça por vezes é avoada. Olhar pro passado me dá a referência que eu preciso pra me acalmar e voltar a respirar mais profundamente. 
Mas então, o que aconteceu?
Essa semana me peguei olhando coisas de 2013, 2012 e lá vai o trem. E o que era isso? Eu acho que era  busca por uma coisa que não existe mais e que dá muita saudade: a necessidade de não precisar dar opinião sobre nada e estar bem com isso. A gente era mais  tranquilo antes de 2013, né? Toda vez que estou muito esquisita, eu tendo a conectar o HD externo no meu pc e simplesmente me deixar viajar por tudo o que acontecia nesse tempinho despretensioso. Tá, eu admito ... pode ser que isso seja só minha parte adulta que está confusa com os próximos p…