Pular para o conteúdo principal

Esse é sobre saudade.

Tenho a impressão de que tudo que falo aqui tá um pouco ligado a saudade. Essa semana eu resolvi ter coragem o suficiente pra colocar DVDs antigos no notebook e entrar nas pastas, sem medo do que ia ver. Coisas legais pra relembrar, dias tristes, situações que mesmo tento passado tanto tempo eu ainda consigo saber de cor tudo o que passou, coisas importantes que eu esqueci, alguns erros que deveria ter assumido.

Tudo isso me serviu muito. Pra definir o que eu queria ser, pra experimentar o que precisava ser vivido, pra dizer com certeza do que eu gosto e do que preciso sempre me afastar.

Me sinto grata, pena tudo isso não voltar. Mas é assim, talvez se não estivesse olhando tudo isso com outros olhos não seria da mesma forma.

Detalhe para a primeira foto: sempre fotografando, sempre procurando captar alguma coisa diferente. Nem sabia no que tudo isso ia dar.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Me encontrando no olhar.

Depois de quase dois anos que resolvi me assumir como fotógrafa profissional, as coisas deixaram um pouco de fazer sentido. Eu estava um pouco confusa com minha atuação no mercado e não sabia muito bem como reposicionar minha marca. Eu tinha o mais difícil que era um diferencial num mercado que já está saturado e talvez sendo o fato de que "casa de ferreiro, espeto de pau" eu simplesmente não conseguia fazer publicidade para o meu negócio.
 Então eu parei de fotografar profissionalmente por meses, foi um limbo horrível, até que eu conheci um aplicativo de smartphone chamado Gudak Pro. Esse app emula uma câmera analógica e me fez voltar a ter um pouco de prazer fotografando. O diferencial aqui é simplesmente ficar restrita a 24 fotos por vez e ter que esperar 24 horas para o filme ser "revelado". Lembrei imediatamente do meu professor de TCC 1 falando sobre a importância do recorte dentro de uma pesquisa, às vezes a limitação é  o melhor instrumento que você pode t…

Três amores

Hoje o café e a inspiração bateram nessa cabecinha. Resolvi pegar mapas que estavam guardados numa caixinha cheia de lembranças e usá-los na nova decoração do meu quarto. Eu não sei se é o final do ano, mas tenho sentido a necessidade de renovar as coisas, principalmente o lugar em que eu passo a maior parte do tempo. Então a parede do meu quarto agora tem os lugares que eu mais amo no mundo juntos numa coisa só. Sampa, Recife e Minas (representado pelo mapa de Inhotim). Engraçado que eu tenho esses mapas desde 2015 por aqui e nunca tinha tido essa ideia. Agora deu uma vontade imensa de sair por aí viajando e colecionando mapa de todos os lugares.


Estou de volta.

Sempre que eu me perco de mim, a primeira coisa que eu tento fazer (depois de chorar muito)  é olhar para onde eu estava antes do caos se instaurar. Confesso que por ser uma pessoa bastante sensível, minha mudança de sentimentos é constante, eu luto pra fincar os pés no chão mas a cabeça por vezes é avoada. Olhar pro passado me dá a referência que eu preciso pra me acalmar e voltar a respirar mais profundamente. 
Mas então, o que aconteceu?
Essa semana me peguei olhando coisas de 2013, 2012 e lá vai o trem. E o que era isso? Eu acho que era  busca por uma coisa que não existe mais e que dá muita saudade: a necessidade de não precisar dar opinião sobre nada e estar bem com isso. A gente era mais  tranquilo antes de 2013, né? Toda vez que estou muito esquisita, eu tendo a conectar o HD externo no meu pc e simplesmente me deixar viajar por tudo o que acontecia nesse tempinho despretensioso. Tá, eu admito ... pode ser que isso seja só minha parte adulta que está confusa com os próximos p…